Tudo o que você precisa sabe sobre Teorias Evolucionistas

1934

Um dos assuntos mais cobrados de Biologia na prova de Ciências da Natureza e suas tecnologias no ENEM é: Teorias Evolucionistas. Como queremos deixar vocês bem preparados, o post de hoje vai ser sobre elas, mais especificamente: Darwinismo, Lamarckismo e Neodarwinismo.

Para começo de conversa, a evolução das espécies na Terra sempre foi um campo muito estudado e bastante debatido. Inicialmente, amplamente influenciado pela religião, a teoria que reinava era a da concepção divina da vida. Com o desenvolvimento da Geologia, Antropologia e Biologia, cientistas passaram a estudar novas teorias para explicar a evolução, pautadas agora nas leis naturais e não mais nas divinas.

Lamarckismo

O francês Jean Baptiste de Lamarck baseou sua teoria evolucionista na comparação de animais atuais com fósseis antigos. A Lei do Uso e Desuso focava nas mudanças no corpo de um animal como resposta às mudanças do ambiente externo. Além disso, prestava atenção no funcionamento (uso e desuso) dos órgãos durante sua vida para garantir sua sobrevivência. Para Lamarck, a adaptação significava uma modificação evolutiva.

Sua tese é baseada no fato de que os animais vivem em um ambiente que começa a se modificar. Com as novas necessidades que o ambiente apresenta, os organismos vivos desenvolvem mudanças nos seus hábitos e comportamentos. Essas mudanças exigem o uso de certos órgãos e o desuso de outros. Esse uso e desuso afetam na forma, estrutura e funcionamento dos órgãos. Para ele, essas mudanças eram passadas geneticamente, por isso os filhotes desses seres já nasciam com essas novas habilidades tendo mais chances de sobreviver. Um exemplo dessa teoria são as girafas e seus longos pescoços.

A teoria de Lamarck foi rejeitada após diversos estudos de que a mudança contínua em uma espécie não é herdada nas próximas gerações. Por exemplo, muitas mulheres asiáticas deformavam seus pés para que ficassem menores, porém isso não afetou os pés das outras gerações.

Darwinismo

O inglês Charles Darwin explorou diversos lugares na América do Sul na Ilha de Galápagos para montar sua teoria da Seleção Natural. A primeira forma de análise foi relacionando animais vivos com extintos, assim, observou-se que muitas espécies tinham algum tipo de semelhança com outras que desapareceram milhares de anos atrás.

Segundo sua teoria, as populações tendem a se multiplicar de forma geométrica e seus poderes de reprodução são muito maiores do que o necessário para manterem o mesmo número de indivíduos. Enquanto as populações crescem de forma geométrica, os alimentos aumentam de forma aritmética. Os alimentos e o espaço são os fatores que limitam as populações de crescerem indefinidamente. Com isso, inicia-se uma competição entre indivíduos que possuem necessidades semelhantes. A competição pode ser entre espécies, como dois cachorros brigando por comida; entre seres de espécies diferentes, como a presa e o predador; ou ainda no meio ambiente, sobrevivendo a secas, terremotos, etc. Além disso, a competição entre os animais acaba gerando variações que os fazem mudar de acordo com as condições do ambiente para utilizar os recursos naturais e sobreviverem.

Em sua teoria, a natureza seleciona apenas os indivíduos daquela população que melhor se adaptaram ao ambiente externo. A seleção natural é um processo automático. Além disso, as gerações futuras herdavam as variações úteis. Assim, as variações úteis vão se acumulando e após um número de gerações, o indivíduo já é uma nova espécie.

Entretanto, a teoria da Seleção Natural não explica tudo, como por exemplo, a causa das variações e como elas eram transmitidas. A teoria explica apenas a sobrevivência das espécies melhores adaptáveis, porém, não explica como elas surgiram.

Saiba mais sobre Charles Darwin

Neodarwinismo

A verdade é que nenhuma teoria explicou perfeitamente a evolução. O neodarwinismo é uma versão modificada da Teoria da Seleção Natural e uma junção de outras. Um dos focos da teoria é na Variação Genética se opondo à ideia de hereditariedade. Os estudos mostram que a hereditariedade e mutação são genes localizados de forma linear nos cromossomos. As variações genéticas nos genes são: mutações (mudança no material genético), recombinação genética, hibridização, deriva genética.

A Seleção Natural aparece nessa teoria sem a parte de “sobrevivem os mais adaptados”. Nessa teoria, os indivíduos que se adaptaram melhor, possuem uma taxa reprodutiva maior, possuindo assim mais crias do que aqueles que não se adaptaram tão bem. Se essa diferença na reprodução continua por diversas gerações, em um determinado momento, os genes dos indivíduos que se reproduzem mais serão predominantes no conjunto genético dessa população.